sábado, 5 de fevereiro de 2011

Encontro-desencontro
Esperei-te
Como as aves esperam a hora do vôo
Como a lágrima a hora de ida
Como o beijo a hora de se dar
Porém não vieste
Não me fizeste feliz
Foste mágoa, me fizeste chorar
Um pranto calmo e morno de quem se morre
De quem não é feliz, não é livre
Como te esperei...
Senti  angústia, senti  ânsia...
Porém não viestes...
As horas passam
E com elas tu também passarás
Tudo nos afasta
Um adeus sem despedida
Sem o beijo
Sem o trocar de olhos
Sem a promessa de um
“talvez, quem sabe, pode ser...”
Sem um porquê!!
Ah! Como esperei-te
Porém não vieste...
Porque???

Nenhum comentário:

Postar um comentário